Uso de um SIG gratuito na Escola Sucundária Jaime Moniz: QGIS

Haverá ensino democrático em nossas escolas ou comunidades de educação quando se generaliza o uso de software de Código Aberto. Isso exige não só uma mudança na maneira de pensar das pessoas (às vezes moldada pela publicidade), mas também a gestão sustentável das despesas e, indirectamente, a luta contra a pirataria de software. Estas vantagens que são inerentes à filosofia do software de Código Aberto será o modelo a seguir se queremos uma educação de qualidade sem limites ou dependências de qualquer tipo. A partir desta perspectiva, a classe 35 da 12 ª ano pertencente ao curso tecnológico do território e do ambiente na Escola Secundária Jaime Moniz, e usa o QGIS para desenvolver actividades propostas em Sistemas de Informação Geográfica, Sistemas de Informação Aplicada e durante o seu período de formação. Dentro do intervalo de opções de SIG livre, havia três razões subjacentes para a escolha da selecção de Código Aberto: a abordagem amigável e intuitiva, apoiada por informações online fornecidas por fóruns, o vários módulos para o software e da qualidade do produto na sua fase final. (Deve-se ter em mente que estes trabalhos académicos foram feitos por estudantes que pertencem a uma faixa etária muito jovem.)

O Projeto — Expectativas

A expectativa era o sentimento mais dominante nas primeiras aulas! O grupo de estudantes tinha apenas o conhecimento teórico e uma vaga ideia sobre assuntos relacionados com os SIG. Era, portanto, necessário associar actividades práticas para que o conhecimento teórico - em primeiro lugar, através da recolha de informação geográfica através de um mapa de apoio, dentro do perímetro da escola e, mais tarde, usando um GPS, sobre a área envolvente da escola. Nas figuras 1 e 2 é possível visualizar algumas das actividades desenvolvidas na sala de aula.

Distribution of dustbins (green) and garden benches (yellow)

Distribuição de caixotes do lixo (verde) em bancos de jardim (amarelo) na Escola Secundária Jaime Moniz

Neste momento, alguns alunos ainda estão a usar o QGIS para fazer diferentes planos de trabalho durante o seu período de formação. Na figura 3, o trabalho de um estudante destaca-se: relaciona-se com a distribuição em relação ao número de habitantes de Santo António, incluindo uma proposta de colocação de contentores de reciclagem, numa paróquia do Funchal.

Functional map of an area in the old part of the town of Funchal

Mapa funcional de uma parte da área antiga da cidade do Funchal que envolve a Escola Secundária Jaime Moniz

Decisão para o QGIS

De um modo geral, o QGIS vem seduzido os alunos: “para realizar as funções básicas dos SIG através de exercícios de associações a elementos gráficos e não-gráficos”, “para fazer o upload de dados alfanuméricos”, “utilizar as funções de análise espacial”; “para fazer mapas temáticos ”,” fazer um Modelo de Elevação digital “e, por último mas não menos importante,” para reconhecer a relevância de um SIG livre para a análise de informações geográficas, bem como para a gestão sustentável do território ”. Estes propósitos teóricos e práticos são realizados em conjunto com outras metas, extremamente importantes no contexto da educação, tais como: “a criação de uma experiência educacional diversificada”, “estar em contacto com a realidade local” e “o desenvolvimento de um espírito construtivo, positivo e crítico” .

Das aulas para a comunidade educacional

A ideia de criar um site: http://www.sig-na-jaime-moniz.webnode.pt implícita nos dois propósitos principais: “espalhar a palavra sobre como o trabalho do projecto é feito pelos alunos” e, simultaneamente, “mostrar a importância do sofwatre QGIS de Código Aberto para a realização destes trabalhos escolares ”. Actualmente, o site é uma fonte de motivação para o acompanhamento de todo o processo de ensino.

Placement proposal for recycle containers in the parish of Santo António Funchal

Proposta de posicionamento para contentores de reciclagem na paróquia de Santo António

Conclusão

Se analisarmos todo o processo, eu sinto que a ideia de usar o QGIS, como uma ferramenta, para realizar alguns fins destinados ao ensino, foi uma excelente escolha. Em primeiro lugar, o seu uso envolveu muita expectativa. Eu nunca tinha usado antes os SIG e, portanto, eu estava aprender e ensinar ao mesmo tempo. O facto de que o SIG acabou por ser extremamente amigável em conjunto, com a informação disponível online, foi uma bênção para mim. Além disso, a escola não tem que pagar por outra licença de software nem era dependente de renovações de licenças, o que melhorou substancialmente a qualidade de ensino, sem quaisquer despesas extras. Neste momento, os alunos usam o QGIS quase por conta própria para realizar seus planos de trabalho diferentes. Espero que o resultado final mostra a quantidade de esforço envolvido em todo o processo de aprendizagem.

Autor

Fátima Vale

Fátima Vale

Este artigo foi elaborado em Março de 2011 pela Fátima Vale com o apoio do Luís Antunes (supervisor dos estudantes no DRIGOT). Nesse momento, ela é professora na Escola Secundária Jaime Moniz e professora que supervisiona durante o período de formação dos estudantes nas diferentes instituições.